©2019 por marqueapagina. Orgulhosamente criado com Wix.com

  • Jéssica Freitas

Resenha: Sociedade da Rosa - Marie Lu

Atualizado: 1 de Nov de 2019



Sinopse: Depois de ser renegada pela família, Adelina é traída por aqueles em quem confiou, e parte em busca de outros malfettos — sobreviventes da febre do sangue que, como ela, possuem dons fantásticos —, para formar um exército próprio e combater a Inquisição do Eixo. Mas o ódio e o medo que a alimentam podem levá-la por caminhos perigosos, e uma oferta tentadora vai testar a verdadeira natureza dos seus poderes e de sua personalidade. Uma sequência de tirar o fôlego para uma saga épica.

Editora: Rocco Jovens Leitores

Nota: 3/5 ♥

Páginas: 336

Compre (e ainda apoie o blog ♥): Amazon






♥ RESENHA ♥

Sociedade da Rosa continua a partir dos eventos de Jovens de Elite, o primeiro volume que dá título à trilogia escrita por Marie Lu. Nele, traída e de coração partido, Adelina abandona Kenettra com sua irmã em busca de Jovens de Elite para formar sua própria sociedade: a Sociedade da Rosa, que deseja usar para conquistar o trono para si mesma.


“Não preciso de nada, exceto da submissão que vem do medo. Não sei porque levei tanto tempo para aprender isso.”

Neste segundo volume, Marie Lu prossegue dando ênfase na inclinação de Adelina para a crueldade e ambição, mas, felizmente, também somos apresentados à novos personagens e revisitamos personagens anteriores, que agora recebem maior profundidade. A narrativa se divide a partir dos pontos de vista de Adelina, Raffaele, e Maeve — uma nova personagem —, mas somente os capítulos de Adelina são em primeira pessoa, o que é compreensível; afinal, esta é a história dela.


Enquanto Jovens de Elite é tudo sobre criar empatia por Adelina devido às injustiças que sofre, A Sociedade da Rosa parece ter sido escrita para exercer o efeito contrário. Eu até consegui continuar torcendo para que ela conseguisse seu final feliz no início do livro, mas conforme a leitura foi avançando tudo que senti foi frustração e irritação — e não por Marie Lu apresenta-la como uma vilã em desenvolvimento (o que já havia sido deixado bem claro no primeiro livro), mas porque Adelina passa de uma protagonista forte por quem vale a pena torcer para uma menina mimada com objetivos superficiais. Há uma dezena de momentos em que Adelina demonstra nada mais do que uma inveja infantil, por exemplo, pela irmã, que julga ser mais bonita do que ela. Em outras, um simples comentário inofensivo é capaz de desencadear reações que achei muito exageradas.


Apesar disso, me agarrei a leitura graças à escrita maravilhosa de Marie Lu — fluída, simples, com a dose certa de pensamentos e diálogos e a quantidade exata de descrições — e aos personagens secundários que, em comparação ao primeiro livro, deram um salto em questão de qualidade.


Temos o retorno da irmã Violetta, uma malfetto surpreendentemente sem marcas, que agora recebe espaço o suficiente para crescer de uma mera coadjuvante neutra para o grilo falante no ombro de Adelina, muitas vezes atuando como um medidor entre bem e mal para o leitor dividido. Toda vez que Adelina faz algo ligeiramente cruel demais, Violetta está lá para demonstrar ao leitor que aquela sensação de “isso não parece certo” é bem justificada.


Raffaele também recebe o devido destaque, atuando agora como o novo líder dos Punhais. O livro nos dá algumas amostras do passado dele e as decisões que precisa tomar ao longo da história — sutilmente demonstrando a enorme diferença entre Adelina e Raffaele.


Também me agradou a forma como foram introduzidos os personagens novos, todos jovens de elite. Há Maeve, uma rainha malfetto de uma nação vizinha cujo poder caminha numa linha tênue entre benção e maldição; Magiano, um carismático ladrão com uma capacidade extremamente valiosa para a Sociedade da Rosa; e Sergio, um mercenário misterioso de quem Adelina desconfia já ter ouvido falar.


A Sociedade da Rosa tem um ritmo um pouco menos satisfatório do que seu predecessor, mas consegue engatar um bom passo depois de alguns capítulos. Como em Jovens de Elite, Marie Lu não falha em surpreender com o final agridoce, deixando um gostinho de quero mais que prepara para a próxima leitura.


Um segundo volume necessário para um desfecho que espero ser épico em A Estrela da Meia-Noite.


Não se esqueça de marcar a página do seu livro, e vir bater um papo aqui nos comentários sobre a Sociedade da Rosa! ♥

sobre
Mim