©2019 por marqueapagina. Orgulhosamente criado com Wix.com

  • Jéssica Freitas

Resenha: Todas as suas (im)perfeições - Colleen Hoover

Atualizado: 1 de Nov de 2019


Sinopse: Uma história de amor perfeita é suficiente para manter vivo o casamento entre duas pessoas imperfeitas? o acaso uniu quinn e graham duas vezes. A primeira delas, no que consideraram o pior dia de suas vidas, quando ela descobriu às vésperas do casamento que estava sendo traída pelo noivo e ele, pela namorada que pretendia pedir em casamento. A segunda, meses depois, em meio a encontros ruins. Deste reencontro surgiu um amor profundo e um relacionamento perfeito. Ou talvez nem tanto. Com o passar dos anos e a frustração por não conseguirem ter filhos, quinn e graham acumularam silêncios e desconfianças. O casal se encontra no centro de um furacão, e seu futuro depende das promessas feitas quando o casamento ainda parecia uma praia paradisíaca.

Editora: Galera Record

Nota: Favorito!

Páginas: 304

Compre (e ainda apoie o blog ♥): Amazon


♥ RESENHA ♥


Quinn e Graham compartilham o pior dia de suas vidas: a descoberta de que estavam sendo traídos por seus respectivos parceiros. Quinn, prestes a se casar, encontra o noivo, Ethan, com a namorada de Graham no apartamento deles ao tentar lhe fazer uma surpresa. No entanto, o que tinha tudo para ser um desastre acaba com um resultado bem diferente: Quinn e Graham acabam se apaixonando e, posteriormente se casando.


O livro é narrado pelo ponto de vista de Quinn, intercalando capítulos entre o antes — antes de Quinn e Graham se casarem, mostrando como se apaixonaram, seu desenvolvimento — e o agora, o momento em que, sete anos depois, o casamento dos dois parece prestes a desmoronar. O curioso é que o motivo para os problemas conjugais está longe de ser a falta de amor; Quinn e Graham são um casal quase perfeito, cheios de piadas internas e afetividade. O problema aqui é que, para Quinn, é importantíssimo que tenham um filho, mas ela tem problemas de fertilidade e já esgotou todas as alternativas possíveis. Em sua mente, ela começa a pensar que não só é seu sonho que está em jogo, mas também está privando Graham da experiência de ser pai. É aí que começa o que ela chama de “dança do divórcio”.


“Parceiro um tenta um beijo, parceiro dois não é receptivo, parceiro um finge não notar. Temos dançado essa coreografia já faz algum tempo.”

Eu juro que me esforço para não puxar o saco da Colleen Hoover, mas gente, ela não ajuda! Cada livro que leio dela vai direto para os meus favoritos. Ela consegue escrever romances à beira do realismo, mas sem perder o encanto da ficção, o friozinho na barriga. Os personagens dela são, de longe, os meus preferidos, porque fogem dos clichês mais conhecidos e continuam sendo apaixonantes mesmo assim, com essa fórmula nova. E desde o início do livro, Graham não é diferente.


“Se você iluminar apenas as suas imperfeições, todas as suas qualidades ficarão na sombra.”

Colleen adora amaciar a dor de um golpe com um carinho bem longo antes. Esse livro é assim. Você se apaixona, pensa que tudo está perfeito, chega a soltar suspiros com uma história linda...e então ela vem e começa a plantar um monte de dúvidas, um monte de farpas, começa a moldar um conflito central para lá de envolvente que não te deixa tirar os olhos das páginas. A leitura começa leve, mas evolui para uma bola de neve angustiante e assustadoramente realista de problemas e enigmas que fazem o leitor agarrar o livro com toda força. Um desses enigmas é uma caixa de madeira, que só se sabe o que contém e o que representa no final da história.


Com Todas as suas (im)perfeições, Colleen nos mostra que um tema bem polêmico — traição — pode ser abordado de muitas formas diferentes e levar a muitos caminhos diferentes. Que a vida pode ser abordada de muitas formas diferentes e levar a caminhos diferentes. Sim, é um romance — mas também é muito mais do que isso. É uma jornada de amadurecimento.


CoHo sempre parte meu coração, e eu adoro. Desculpa, gente. Acho que sou um pouco masoquista quanto a isso. Sem arrependimentos.


Por quanto tempo um casal pode se apegar a um passado que os dois defendem para justificar um presente onde nenhum deles é feliz?
sobre
Mim